Deixe-se guiar pela sua intenção…

Estimado(a) leitor(a), desejo-lhe, especialmente a si, pura e genuinamente, a maior sorte e sucesso do mundo! Que forma, no mínimo peculiar, de iniciar um artigo… É o que deve estar a pensar neste momento e com toda a legitimidade. Porém, dentro de breves instantes, tudo fará sentido. Na vida, tudo acaba por fazer sentido, no momento certo. Posso-lhe pedir, uma vez mais, que confie em mim? Muito obrigado! Embarquemos então numa nova viagem!

 

Interessante e misteriosa. É como caracterizo a convidada deste artigo. Na realidade, conhece-a desde sempre… Acompanha-o(a) de forma leal e determinada desde o primeiro dia e responde de imediato ao seu chamamento. A questão que se impõe é: será que lhe tem dado as instruções certas? Serão elas congruentes com a sociedade que pretende construir e os objetivos pessoais a que se propõe? Antes disso, e para lhe darmos algum tempo de preparação, conversemos um pouco acerca de catalisadores. Calma, a nossa conversa tem um propósito, verá. Por definição, estes são responsáveis por aumentar a velocidade a que se processam as reações químicas, inclusive as que têm lugar no nosso organismo. No fundo, “trabalham” com a matéria-prima que lhes é apresentada, acelerando o processo.

Agora sim, com toda a pompa e circunstância, recebamos a nossa convidada! Sem mais demoras, ei-la: a sua intenção! (Adoraria poder contemplar a sua expressão neste momento).

 

O poder da intenção

 

É verdade, o ingrediente que comanda os resultados que obtém em todos os domínios da sua vida, tem-no(a) acompanhado desde os primórdios da sua existência. Este pode ser o “adubo” rumo à concretização dos seus sonhos ou, por seu turno, o potenciador de episódios menos agradáveis, consoante as indicações que lhe apresenta. Deste modo, podemos dizer que a intenção que coloca em cada ação da sua vida dá indicações muito claras quanto aos resultados que obterá.

Por esta altura, é possível que a célebre expressão “De boas intenções está o Inferno cheio!” paire na sua mente. Por isso, tomo a liberdade de partilhar consigo a minha interpretação para este dizer popular, a qual se assume como uma orientação diária para a minha pessoa. Tal facto, só será verdade se a intenção não for puramente bondosa, isto é, se desejarmos algo esperando ansiosamente a recompensa. Desse modo, não podemos dizer que se trate efetivamente de uma boa intenção mas sim de egocentrismo, correto?

Pense comigo, por favor: não se sente muito mais tranquilo(a) e motivado(a) com a vida quando comanda as suas ações com base no amor? Não é tão mais agradável quando colocamos ótimas intenções em tudo o que fazemos? Não só estamos a potenciar o sucesso e a felicidade dos que nos rodeiam, como também o nosso próprio bem-estar e concretização pessoal.

Desde pequenos ouvimos dizer que “colhemos o que semeamos” (já reparou como é tão fácil trabalhar o nosso desenvolvimento pessoal com base em máximas tão simples e que sabemos desde tenra idade?). Ora, se semearmos com uma certa ansiedade e com a mera intenção de obter algo em troca, a vida responderá de forma minuciosa a este pedido, conduzindo-nos a situações algo delicadas, que nos provoquem essa mesma sensação. Porém, ao emitirmos boas intenções e desejos dignificantes a todos os que nos rodeiam, obteremos por certo verdadeiras dádivas! Deste modo, “semeie sem esperar o fruto”.

Garanto-lhe, ao desejarmos o melhor aos que nos acompanham nesta jornada diária, seremos igualmente agraciados com sorte, sucesso e harmonia. Que esta paz lhe permita praticar o bem e viver, em serenidade, sem esperar nada em troca.

 

Qual a relevância deste tema?

 

Acredito que a pertinência desta temática se prende com o facto de quando começamos a contactar e praticar determinadas posturas/filosofias de vida mais honrosas e positivas, ser-nos relativamente fácil deixarmo-nos levar pelos fantásticos “resultados” iniciais, fazendo o nosso coração disparar e perder o rumo que havíamos delineado, de pura bondade e serenidade. Nesse momento, perante as novas indicações, a vida encarrega-se de nos apresentar novamente uma série de desafios algo mais intrincados. Por forma a nortearmos a nossa vida, tenhamos permanentemente um bom coração, colocando pureza e desapego em todos os atos e desejos.

É certo que perante o desafio acima apresentado, é possível que o ache um pouco menos fácil, em instâncias iniciais. Porém, repare por favor: quando começamos a andar, os primeiros passos são sempre os mais atribulados, certo? A prática de um desporto é menos fluida quando o iniciamos, correto? Isto é, o exercício torna-nos audazes em todas as tarefas! Por isso, comecemos a praticar! O sucesso aguarda-o(a), de braços abertos!

Na realidade, uma intenção verdadeiramente pura e genuína assume-se como um amuleto perante os desafios do dia a dia, em todos os momentos e no decurso das mais diversas interações. Pratique o bem e convença-se de que merece o melhor, pois merece mesmo!

Bem, caro(a) amigo(a), a nossa convidada pede agora algum protagonismo. Aliás, daqui em diante, ela (a sua intenção) solicita-lhe mesmo um trato mais cuidado, por forma a que a sua fidelidade se assuma como a sua maior aliada.

Pronto(a) para acelerar a velocidade de concretização dos seus sonhos? Para viver a vida que faz o seu coração bater mais rápido e o seu melhor sorriso surgir? Pois bem, uma vez mais, desejo-lhe a maior sorte e sucesso do mundo, colocando em si a minha melhor intenção!

Perante o castelo de sonhos que compõe a nossa existência, deixemos que a brisa da intenção pura e verdadeira nos guie… Na realidade, não será este o catalisador que nos auxiliará a fazermos deste um mundo melhor?

 

Tiago Gonçalves

Mestre em Ciências Farmacêuticas e Trainer de Soft-Skills

tiago.m.goncalves15@gmail.com