Depurar, desintoxicar, arrumar… para avançar bem!

Com a chegada da primavera e inspirados pelos dias mais longos, quentes e cristalinos, não podemos deixar de notar a vida a desabrochar à nossa volta. Há flores em todo o lado – nas bermas da estrada, nas árvores, nas janelas das casas por onde passamos, nos nossos corações…

É, pois, natural, sentirmos, quase numa agradável tontura, o apelo para selecionar, limpar e guardar as pesadas roupas de inverno e para mudarmos algo no nosso aspeto e até no nosso modo de vida. É quando nos lembramos de programar as férias, preparar o corpo para o verão, fazer arrumações, enfim, um ‘mundo de mudanças’ no ar e para encetar…

E o que muda na nossa vida a um nível mais profundo que permita consubstanciar os ajustes necessários a uma alteração de ‘realidade’ que nos ajude a ser mais plenos, realizados e leves? É uma época propícia (embora outras também o sejam) para parar, tomar consciência numa base mais isenta, redefinir, depurar, arrumar ideias, desintoxicar emoções, reorientar ações…

A agitação e as exigências a que estamos normalmente sujeitos não nos permitem, num quadro de proximidade das situações, desenvolver a visão clara para o ‘balanço’ a que naturalmente somos impulsionados a fazer num contexto de transformação. É necessário um afastamento dos focos de conflito emocional, dos comportamentos forçados… é necessário o silêncio, a imobilidade, o vazio, o nada, o apenas ‘estar e ser’ (em oposição ao habitual ‘fazer’)… é necessário o abandono do corpo aos seus próprios ciclos naturais e ao seu ajuste aos ciclos biológicos do dia, sem a sujeição aos ciclos convencionados dos nossos cronómetros digitais…

Enquadrar o processo de paragem e balanço pessoais num contexto de ‘retiro’ traz benefícios ao corpo e à alma e permite que a mente se aquiete e com ela as emoções, desenvolvendo desta forma uma perspetiva mais clara e global sobre as situações do nosso dia a dia. De facto, um retiro é sempre uma oportunidade muito especial para parar, refletir e tomar consciência mais profunda e simultaneamente para reorientar propósitos, escolhas, atitudes e planos de ação pessoais…

Artigo publicado na Zen Energy Nº 88 (edição de maio de 2016)