As doenças cardiovasculares, nos países ocidentais, Portugal incluído, são a principal causa de morte e estão intimamente ligadas ao estilo de vida e aos hábitos alimentares, como comprovado por inúmeros estudos.

Prevenir é o melhor remédio!

 

Para reduzir esta estatística, muitas associações mundiais relacionadas com a saúde, apelam a que se adote uma alimentação mais cuidada, baseada no maior consumo de cereais, legumes, leguminosas, frutos, peixe e menor quantidade de carne, laticínios e gorduras, mesmo as saudáveis, evitando as gorduras saturadas. São recomendações preferíveis à alimentação corrente dos nossos dias, tão rica em alimentos processados, açúcar e fast-food, entre outros alimentos, verdadeiramente maléficos para o nosso organismo. Ainda assim, não são as recomendações mais acertadas, pois estudos recentes têm vindo a comprovar aquilo que a macrobiótica defende há muitos anos, que o consumo de proteína animal e de gordura saturada, presentes na carne e nos laticínios, é nocivo para o organismo humano, e responsável por muitas das doenças modernas que nos assolam, hoje em dia, como é o caso das doenças cardiovasculares.

 

A prevenção é fundamental

Em estudos como o Framingham Heart Study, um dos maiores estudos sobre doenças cardiovasculares até hoje realizado, chegou-se à conclusão de que o melhor regime alimentar é o maioritariamente de origem vegetal, baseado em cereais integrais, vegetais, leguminosas. Estes, entre outros alimentos, constituem também a base da alimentação macrobiótica. No entanto, continuamos muito condicionados por uma indústria alimentar que vende padrões e fórmulas erradas de saúde, visando mais o lucro do que, infelizmente, o verdadeiro bem-estar dos consumidores.

Também para a acupunctura, um dos pilares da medicina tradicional chinesa, a prevenção é fundamental. Efetivamente, «esperar ficar doente para procurar o médico, é como esperar ter sede para começar a cavar o poço», como dizia o Imperador Amarelo.

A medicina tradicional chinesa entende o indivíduo como um todo e a saúde como um dinâmico e ténue equilíbrio entre os aspetos físicos, mentais, emocionais e espirituais da sua vida, bem como do seu relacionamento com o meio em que vive. Através de diferentes terapêuticas, regulariza o fluxo energético, equilibra mente e corpo, permitindo ao organismo a autopreservação, essencial para retardar o envelhecimento, prevenir e tratar doenças.

 

A medicina chinesa

A medicina chinesa foi desenvolvida e aperfeiçoada ao longo de milhares de anos e baseia-se nos princípios (taoistas) do equilíbrio yin-yang. Através da observação da Natureza, concluiu-se que tudo no Universo é composto por dois aspetos opostos, que se completam entre si, mantendo o equilíbrio natural – Yin e Yang. Eles formam um movimento circular, onde Yin se transforma em Yang e Yang se transforma em Yin. Representam algo que é único, mas que se apresenta sob dois aspetos, opostos e complementares. De acordo com a filosofia oriental, o primeiro passo para vivermos, em equilíbrio e harmonia com o mundo, é encontrarmos o nosso próprio equilíbrio e harmonia. Se seguirmos o princípio do Yin e do Yang, viveremos saudáveis, em sintonia com a Natureza. Porque seguiam este princípio, os Antigos, eram moderados a beber e a comer, praticavam atividade física regular e não cometiam excessos. Assim, gozavam de saúde física e mental e viviam até idade avançada. Atualmente, vivemos a mil à hora e adotamos hábitos que comprometem seriamente a nossa saúde. Precisamos, urgentemente, de reaprender a escutarmo-nos, a respirar e a comer.

 

‘Os alimentos também curam’

Hipócrates, o pai da medicina, já afirmava: «Faça do alimento o seu medicamento». A estreita relação que os alimentos têm com a saúde do organismo, tanto na sua manutenção, como na sua recuperação, sempre foi observada, estando atualmente amplamente comprovada e divulgada.

Seguir uma alimentação macrobiótica padrão, contribui, logo à partida, para um fortalecimento da saúde do seu coração e aparelho circulatório. Siga, especialmente, as seguintes indicações:

  • Elimine ou reduza significativamente o consumo de produtos animais, particularmente carne e laticínios.
  • Elimine da sua dieta o açúcar, adoçantes sintéticos como aspartame ou sacarina e os estimulantes como café, especiarias, etc.
  • Evite o consumo de fast-food – esta contém quantidades de sal e de gordura de má qualidade muitíssimo elevadas.
  • Coma cereais integrais, vegetais e leguminosas todos os dias. Particularmente úteis são os vegetais verdes de folha escura como grelos, couves, nabiças, etc., assim como, nabos, rábanos, rabanetes.

 

Visão holística do indivíduo

«Todo o excesso se opõe à Natureza» – esta frase, também, atribuída a Hipócrates, poderia, perfeitamente, ter sido retirada de um manual de medicina chinesa, uma vez que para a milenar sabedoria oriental, toda a doença é sinal de desarmonia entre o Yin e o Yang.

O objetivo da medicina chinesa é a prevenção, ou seja, diagnosticar estes desequilíbrios antes do aparecimento da doença. No entanto, quando esta já está instalada, cabe-lhe promover a recuperação do equilíbrio.

Esta visão holística do indivíduo (de diagnóstico e de tratamento) permite tratar a pessoa e não apenas o sintoma. O sintoma pede-nos sempre mudanças e não analgésicos! É preciso escutá-lo e identificar a causa do desequilíbrio. Posteriormente, o tratamento irá atuar nos sintomas, mas também na causa dos mesmos. A palavra ‘holística’ vem do grego holos e significa algo que é um todo em si mesmo e, simultaneamente, uma parte de um sistema maior.

 

Alimentos amigos do coração

Existem determinados alimentos e recomendações culinárias que podem trazer benefícios específicos ao funcionamento do seu coração:

 

  • Cereais

– O milho é o cereal que mais nutre o coração. Pode ser usado sob a forma de maçarocas, pilado como na cachupa cabo-verdiana ou em papas como a polenta.

– A cevada, pela capacidade que tem de ajudar a eliminar gordura animal do organismo, é também um alimento recomendável.

 

  • Vegetais
  • Os vegetais de folha verde como a couve-portuguesa, a couve-chinesa ou a rama de cenoura, por exemplo, estão entre os particularmente benéficos.
  • O rábano, o nabo e o rabanete são também alimentos muito recomendados em caso de colesterol elevado.
  • Em caso de hipertensão sistólica, recorra a preparados como daikon seco com alga Kombu, como acompanhamento ou sob a forma de chá, ou rábano ralado com molho de soja como acompanhamento.
  • Em caso de hipertensão diastólica, consuma também daikon seco com Kombu, assim como, vegetais verdes de rama, cozinhados a vapor.
  • Para reduzir o colesterol LDL, aconselho nabo e cenoura ralados.
  • Chá verde, chá de cogumelo shitake e chá de alga Kombu são também ‘remédios’ bastante eficazes.

 

  • Algas

As algas marinhas têm efeitos benéficos notórios sobre o coração, sobretudo em casos de hipertensão (a alga Wakame, a alga Nori, muito conhecida por ser usada na confeção de sushi e alga Kombu.

 

  • Condimentos

Os condimentos levemente amargos, como as sementes de sésamo tostadas ou raspa de limão, tangerina ou laranja, devem ser utilizados regularmente.

 

  • Óleos
  • Se tem problemas cardíacos, certifique-se de que utiliza óleos vegetais de primeira pressão e extração a frio. É o caso do azeite, óleo de sésamo ou óleo de girassol que são boas escolhas.
  • Evite o óleo de milho comercial, por ter uma enorme quantidade de ácidos gordos ómega 6, criando um desequilíbrio acentuado entre os ácidos gordos ómega 3 e ómega 6, o que poderá tornar o organismo mais propenso a inflamações.
  • Não use margarinas, mesmo quando estas são anunciadas como saudáveis e ricas em gorduras polinsaturadas. São uma das principais causas dos problemas de saúde modernos.

 

  • Produtos animais

– Os peixes gordos, como a sardinha, se ingeridos ocasionalmente e em pequena quantidade, podem beneficiar o sistema cardiovascular, devido aos tipos específicos de gordura polinsaturada que contêm, em especial, os chamados ómega 3, que parecem contribuir para um bom batimento cardíaco e sangue mais fluido.

 

  • Bebidas
  • O chá verde é benéfico para baixar níveis de colesterol elevados, embora, em geral, não deva ser bebido diariamente.
  • Qualquer chá ou infusão tradicional, não aromático, é também uma boa escolha no que toca a bebidas.

 

Adaptado do livro Os Alimentos Também Curam de Francisco Varatojo, Esfera dos Livros.

 

Estilo de vida saudável

Abandonar hábitos nocivos, fazer escolhas sábias e estar aberto a fazer pequenas mudanças são os passos que necessita de dar para seguir o seu coração:

  • Deixe de Fumar!
  • Durma bem – Salvaguarde as horas reservadas ao sono profundo e reparador.
  • Alimente-se bem – Não se esqueça que ‘somos o que comemos’!
  • Mexa-se! A atividade física regular pode rejuvenescê-lo até 15 anos.
  • Seja positivo e bem-disposto – Não se queixe nem reclame constantemente. Afaste-se das pessoas negativas. Escolha compartilhar coisas boas, que possam elevar e inspirar os outros.
  • Cultive boas relações – Seja solidário. «Saber encontrar a alegria na alegria dos outros, é o segredo da felicidade», Georges Bernanos.
  • Defina objetivos – Uma pessoa sem objetivos é como uma folha seca ao vento. É levada para qualquer lugar.
  • Mime-se – Procure tempo para desfrutar daquilo que verdadeiramente preenche a sua vida. Por dia, realize, pelo menos, uma atividade que lhe dê prazer, por mais simples que seja e, sempre que possível, fuja da rotina.
  • Medite – Passamos a vida a correr de um lado para o outro, a saltar de obrigação em obrigação, quase sem conseguir observar o que se passa à nossa volta (muito menos dentro de nós). A meditação é muito importante porque nos permite exercitar a atenção e redesenhar o mundo de forma harmoniosa.
  • Bons rituais – Cultive rituais saudáveis, tais como realizar um check-up anual, sobretudo a partir dos 45 anos e sessões de acupunctura para manter ou recuperar o equilíbrio do seu organismo.

Cuide do seu amigo do peito, a sua saúde agradece!

Artigo publicado na Zen Energy Nº 82 (edição de Novembro de 2015)