Simpática, com uma energia contagiante e uma vontade imensa de viver e de aprender. Assim é Olívia Ortiz. Fique a conhecer melhor a apresentadora da TVI.

Quem é a Olívia Ortiz?

Uma menina cada vez mais mulher que se vai conhecendo melhor a cada dia que passa.

Tem uma vontade imensa de viver, de aprender e uma curiosidade incessante. É grata por tudo o que já alcançou e conheceu.

Formou-se em fisioterapia, mas seguiu o mundo da televisão?

Esse era o meu plano para a vida, mas a vida tinha outros planos para mim.

De facto, a minha formação académica nada tem a ver com a minha atividade profissional atual. Várias vezes me senti aliciada pelo mundo da televisão, mas sempre o achei muito distante da minha realidade. Onde cresci, os horizontes eram curtos e perante as dificuldades da minha família tive de tomar decisões rápidas e práticas, entre as quais, completar a minha licenciatura. E foi depois disso, com a segurança do diploma, que me permiti arriscar e lutar pelos meus sonhos.

Já em Lisboa, investi na minha formação de atriz e apresentadora de televisão e fui gerindo as oportunidades. Integrei o elenco de várias produções de ficção da TVI e da Plural, como as telenovelas Destinos Cruzados, I Love it e Mulheres, e apresentei programas como GuestList, Ora Acerta e Somos Portugal. E agora abraço um novo e grande desafio na apresentação em horário nobre de fim de semana: o Futebol Mais.

Participou no musical Aladino e a Lâmpada Mágica. Como correu a experiência?

Correu muito bem. Foi uma experiência fantástica, muito enriquecedora.

Foi a primeira vez que fui protagonista de uma peça musical que é um clássico muito acarinhado pelas pessoas. Senti-me privilegiada por interpretar a ‘princesa Yasmin’ nesta peça que junta duas artes que amo: teatro e cinema. Estivemos em cena na época do Natal e também, por isso, foi mágica a reação das crianças e do público e maravilhoso poder alegrar a quadra de tantas famílias.

Recentemente, lançou um canal no Youtube. Já tem muitos seguidores?

Sim, é um espaço de partilha onde me encontram exatamente como sou, conhecem os meus gostos, as minhas opiniões, etc. Além disso, é uma forma de criar mais oportunidades para a minha carreira de apresentadora, comunicadora. Esta plataforma permite-me pensar, produzir, criar e publicar os meus vídeos; realizar conteúdos que ainda não pude concretizar na televisão.

Lancei o canal com uma série de entrevistas a youtubers e bloggers. Por lá partilho também um pouco do meu dia a dia e faço unboxing de favoritos. Foi há pouco mais de um mês e, neste momento, já tem cerca de 35 mil subscritores. É espantoso receber este feedback e apoio! Estou muito feliz e mais determinada para surpreender e continuar a fazer coisas diferentes.

Que balanço faz do seu percurso profissional?

Ainda há muito para vivenciar e aprender. Abracei os desafios que me foram propostos e sinto-me muito grata e orgulhosa por tudo o que aprendi e alcancei até hoje.

Cada vez me sinto mais completa profissionalmente.

2017, um ano de garra
e motivação

Como espera este novo ano?

Espero que seja um ano onde tenha novas oportunidades como apresentadora de televisão; sinto-me preparada para desafios com mais responsabilidade. Em 2016, fui eleita e destacada como apresentadora revelação duas vezes, a primeira pelos leitores do website A televisão e a segunda pela revista TV Guia e isso deixa-me a pensar que estou no bom caminho. Procuro sempre novos desafios e novas aprendizagens e um novo ano significa isso mesmo, por isso, comecei este ano com mais garra e mais motivada!

Há algum projeto profissional que gostasse muito de concretizar?

Sim, gostava muito de apresentar um programa de televisão em que pudesse concretizar sonhos e ajudar pessoas/famílias.

A sorte, o destino e o karma

Acredita na sorte?

Acredito em trabalho e em oportunidades.

Algumas pessoas poderão chamar-lhe ‘sorte’. Eu chamo-lhe ‘oportunidade’.

Acredito que, ao longo da nossa vida, surgem oportunidades e que temos de nos preparar e trabalhar continuamente para as receber.

Resumir as nossas conquistas à sorte é desmerecer o nosso esforço e o nosso empenho. Sou muito grata por todas as oportunidades que me foram lançadas, mas sei que trabalhei muito para as conseguir e trabalho todos os dias para aprender e estar à altura dos desafios propostos.

E no destino?

O destino é uma sucessão de factos que podem, ou não, acontecer. Acredito que algumas pessoas se cruzam com o nosso caminho e que passamos por experiências ou problemas que fazem parte do nosso crescimento. Contudo, acredito mais ainda que devemos cuidar do nosso presente e pensar no nosso futuro.

Não devemos esperar que o destino nos traga aquilo que achamos que merecemos e sim, lutar pelos nossos objetivos e fazer as nossas escolhas ao longo da vida.

Acredita que todos temos um karma?

Acredito no karma como acredito no destino. Da mesma forma que acredito que temos autonomia para traçar o nosso próprio destino.

Podemos escolher fazer o bem ou o mal. Somos livres de fazer as nossas próprias escolhas, apenas não controlamos as suas consequências.

Qual é o seu e porquê?

Segundo a astrologia kármica, sou portadora do Karma da Personalidade, que corresponde a pessoas que trazem uma grande necessidade de realização pessoal, porque no passado não puderam realizar as suas ambições e desejos em prol da vontade da família e que precisam de se realizar dentro deste conflito.

Manter a forma física e

bem-estar emocional

É considerada como uma das caras bonitas da estação de Queluz. Como se mantém em forma?

Tenho cuidado com a alimentação, de forma a ser saudável, variada e que responda às minhas necessidades diárias; bebo 2 a 3 litros de água por dia e pratico exercício físico regularmente. Desde que estive doente, em 2010, tive muita dificuldade em sentir-me motivada para fazer exercício físico e foi mesmo este ano que decidi fazer algo por mim e pela minha saúde. Uma vez por semana, faço um treino diferente acompanhado e com eletroestimulação no E-fit, o que me ajudou imenso, sobretudo na fase inicial, para ter um ganho de resistência mais rápido. E com a vontade de fazer diferença na minha vida e superar-me a mim própria, aceitei um grande desafio em 2016: os meus primeiros 10 km na Corrida do Tejo! Fui acompanhada pela equipa da fhit unit e comecei a correr. Senti muita diferença na minha motivação e ganhos a nível de saúde e forma física.

Como preserva o bem-estar emocional?

O exercício físico, o reiki e o yoga têm-me ajudado muito a dissipar tensões emocionais, a libertar do stress, a aumentar a concentração e a consciência.

Sempre que possível faço massagens de relaxamento e drenagem linfática para me sentir mais leve. Mas, acima de tudo, conto com grande apoio familiar, com quem posso desabafar
e partilhar as minhas alegrias e tristezas.

Ações solidárias

Aceitou o convite para ser uma das embaixadoras da 1ª edição do Festival Gentes do Mar em Matosinhos, em 2016, com o objetivo de apoiar o Instituto Português de Oncologia e a Associação de Pescadores Aposentados de Matosinhos, revertendo parte das receitas a favor destas duas instituições de solidariedade. Foi a primeira vez que deu a cara por uma ação solidária?

Não, já participei noutras ações e colaborei com instituições/associações como a AMI (Assistência Médica Internacional) e a Associação de Proteção à Rapariga e à Família.

A solidariedade também tem efeitos positivos em quem a pratica?

Para mim, se fizermos algo de bom a alguém, estaremos a fazer bem a nós mesmos. Fazer pessoas sorrir também nos afeta positivamente. Muitas vezes as pessoas querem ter uma atitude solidária, mas nem sabem por onde começar. Atitudes simples podem fazer grandes diferenças. Ouvir o outro pode amenizar o seu problema de forma significativa ou simplesmente praticar um consumo consciente no dia a dia, como economizar água ou não desperdiçar comida. Eu começo em mim a mudança que desejo para o mundo.

O que a faz feliz?

Tanto! Tento procurar o belo em tudo o que me rodeia. Mas, acima de tudo, o meu lar e ‘os meus’.

Qual é o seu lema de vida?

Até um relógio avariado está certo duas vezes por dia.

Mensagem positiva

Que mensagem positiva gostaria de deixar aos nossos leitores?

Sorriam! Não se deitem chateados.

Pode parecer simples demais ou até não fazer sentido. Porquê sorrir se estou triste?

Quem sorri estimula o cérebro a libertar endorfina e serotonina — substâncias responsáveis pela sensação de prazer e felicidade. Essas substâncias proporcionam uma sensação de leveza e bem-estar e reforçam o sistema imunológico.

Mesmo que o dia tenha corrido menos bem, encontrem algo que vos faça sorrir.