Ainda encontramos no imaginário de gerações mais antigas os filmes passados no velho Oeste americano, nos quais os duelos entre herói e bandido representavam um ponto alto imprescindível.

Quem tem seguido com alguma atenção o longo caminho das eleições americanas para a presidência, certamente se interroga se o duelo final em novembro próximo não será exatamente o referido no título deste artigo.

 

É bem provável que assim seja e por isso poderemos fazer uma breve viagem pelos mapas numerológicos de ambos. (Ver esquema abaixo)

 

Hillary: 26/10/1947

Nº de Vida: 2+6+1+1+9+4+7=30=3

As pessoas nascidas a 26 são criativas no que respeita à vida material, saindo-se normalmente bem de dificuldades, pois têm o poder de atrair dinheiro e pessoas, desde que mantenham o otimismo, gerando, assim, energia positiva. Estão sujeitas a emoções extremadas, quer no sentido ascendente quer no descendente, vivendo frequentemente situações limite, dado que tendem a viver tudo muito emocionalmente. Quanto à soma da data completa, mostra que é uma pessoa comunicativa, criativa e com muito fogo interior.

Podemos ainda ver que heranças traz de vidas passadas, mostrando, assim, os padrões que a sua alma possui: (Ver esquema abaixo)

 

26/10/1947

8   1   3

8-1=7

8-3=5

7-5=2

3-1=2

Karma acumulado: 16

Estes padrões mostram uma pessoa orgulhosa, que não gosta de mostrar fraqueza nem de perder. Gosta de estudar e de aprender, algo que traz de vidas passadas como modelo de vida, tendo, contudo, alimentado excessivamente o ego nessas existências anteriores, o que tenderá a repetir no presente.

 

Quanto a Donald Trump: (ver esquema abaixo)

26/10/1947

8   1   3

8-1=7

8-3=5

7-5=2

3-1=2

Karma acumulado: 16

Quem nasce a 14 gosta de arriscar e normalmente tem sorte ao jogo. Tende a gostar de prazeres materiais, precisando por isso de exercer autocontrolo. Tem temperamento instável e comportamentos inesperados, não aceitando que lhe deem ordens. Possui em si uma dualidade, apresentando tendências destrutivas e construtivas ao mesmo tempo. Gosta do que é novo e original, da mudança e da variedade.

O seu Nº de vida mostra que vem num propósito de materialização da criatividade através da iniciativa pessoal, pelo que tende a ser persistente e até obcecado pela concretização dos seus sonhos.

 

Quanto à contabilidade kármica: (Ver esquema abaixo)

14/6/1946

5  6   2

6-5=1

5-2=3

3-1=2

6-2=4

Karma acumulado: 10

Encontramos aqui alguém que em vidas passadas viveu em sujeição, não lhe tendo sido permitido gerir livremente a sua vida, pelo que terá vivido no medo e na insegurança, embora não tivesse tido oportunidade nem capacidade de mudar o seu destino. Assim, vem para a vida atual com um desejo intenso de não permitir que mandem em si, querendo impor a sua vontade e construir livremente o que imagina.

A alma que na vida atual se chama Hillary é claramente muito mais amadurecida e sábia do que a que se chama Trump, que é muito imatura e tende a recorrer a comportamentos de afirmação pessoal nem sempre sensatos e continuamente provocatórios.

É muito interessante este tipo de análise à maturidade das almas relativamente ao percurso reencarnatório, pois ela elucida sobre os comportamentos que os seus portadores têm.

Ambas estas almas vêm em percursos de afirmação pessoal embora em sentidos diferentes, pois Hillary vem tentar reforçar o seu ego enquanto Trump pretende mostrar que é capaz de grandes feitos, querendo prová-lo a si e às outras pessoas. Hillary é racional e pragmática, enquanto Trump é imaginativo e imprevisível. O que poderá voltar-se contra Hillary será o excesso de ego, se não souber controlar-se. Quanto a Trump, ele reflete o desejo de muitos de ter a coragem de ser provocatório e dizer abertamente o que pensa, mas pode ser isso exatamente que o faça perder as eleições, por não saber ser ‘politicamente correto’.

Quanto aos nomes, DONALD TRUMP soma 48, sendo estas energias de persistência, teimosia e trabalho. O 3 que encontramos na soma (4+8=12=1+2=3) dá-lhe capacidade de comunicar e reforça a imaginação.

 

(Continua…)

Leia este artigo na íntegra, na Zen Energy Nº89 (edição de junho de 2016), já nas bancas.