Segundo a Organização Mundial de Saúde, 13% dos adolescentes sofrem com depressão.

A adolescência é uma fase muito complicada, onde as mudanças são uma constante e é a
fase da afirmação da identidade. Muitas são as descobertas, transições e conflitos. Por isso,
é comum que os adolescentes apresentem algumas mudanças comportamentais próprias
da idade e, daí, ser comum estarem vulneráveis e deprimirem.

Com tantas transformações no corpo, novas responsabilidades e incertezas sobre o futuro, é normal que o adolescente tenha mudanças momentâneas de humor e se sinta mais irritado, desanimado, confuso e até incompreendido. Quando estes estados de humor duram mais de duas semanas e impedem os jovens de fazerem a rotina normal, como irem às aulas, saírem com os amigos, divertirem-se, entre outras atividades, é caso para nos preocuparmos e pensarmos que algo está errado. A ansiedade e a depressão já podem estar instaladas e, quando assim é, toda a vida do adolescente fica interrompida. Quando a depressão não é tratada e se torna mais agudizada, mais grave e intensa, pode contribuir para que os jovens desenvolvam ideação suicida. O suicídio é a consequência mais grave desta perturbação, e uma das maiores causas de morte entre os jovens.

Os sinais de alerta

Emoções:

• Sentimentos de tristeza (ataques de choro sem motivo aparente);

• Irritabilidade, frustração e raiva;

• Perda de interesse pelas atividades do quotidiano;

• Perda de interesse pela família e amigos ou relações conflituosas com estes;

• Sentimentos de inutilidade, culpa e autocrítica;

• Hipersensibilidade a eventuais rejeições ou falhas, e necessidade excessiva de ser tranquilizado;

• Dificuldades de concentração, memória e em tomar decisões;

• Sensação que o futuro será difícil e “negro”;

• Pensamentos frequentes sobre morte, morrer e suicídio.

Comportamentais:

• Ter insónias ou dormir demasiado;

• Alterações no apetite, que podem incluir perda de apetite e de peso
ou comer demasiado e engordar;

• Consumo de bebidas alcoólicas ou drogas;

• Agitação ou inquietação;

• Pensamentos e movimentos mais lentos;

• Dores de cabeça ou no corpo sem razão aparente;

• Menor rendimento escolar;

• Aparência física descuidada;

• Comportamentos de risco;

• Automutilação (cortes e/ou queimaduras).

Fatores que potenciam  a depressão:

• Mudanças físicas e emocionais;

• Pressão entre pares;

• Medo de não corresponder
às expectativas dos pais;

• Necessidade de afirmação;

• Dificuldade em definir a identidade;

• Medo de não ser aceite entre
os pares;

• Entre muitos outros…

Fatores de risco:

Existem fatores que aumentam o risco de desenvolver ou desencadear a depressão
no adolescente. Por exemplo:

• A depressão é mais frequente
em raparigas;

• Obesidade;

• Baixa autoestima;

• Problemas nos relacionamentos;

• Bullying;

• Ter sido vítima ou testemunha
de violência física ou sexual;

• Sofrer de anorexia ou bulimia;

• Consumir tabaco, bebidas alcoólicas ou drogas;

• Alteração da orientação sexual;

• Ter familiares com depressão, transtorno bipolar ou problemas
de alcoolismo;

• Ter um membro da família que  se suicidou;

• Ter passado por eventos traumatizantes (a morte de um familiar ou o divórcio dos pais).

Leia mais na Zen Energy de Agosto 2017