Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 121 milhões de pessoas sofrem de depressão. É a quarta principal causa de incapacitação em todo o mundo e, de acordo com projeções da OMS, em 2030 será o mal mais prevalente do planeta, ultrapassando o cancro e algumas doenças infeciosas. O distúrbio não deixa marcas aparentes, é difícil de ser diagnosticada por exames de imagem e, muitas vezes, é confundida com uma tristeza normal.

O que é Depressão?

Depressão ou Distúrbio Depressivo Maior – ou ainda depressão maior – é uma doença que afeta principalmente o humor psicológico, apesar de não se restringir a isso. Afeta a saúde, o corpo, os pensamentos e a forma de compreender do deprimido, mas também e o modo de se relacionar com o mundo.

A depressão faz com que o indivíduo seja acometido por uma sensação de tristeza profunda, falta de energia, desânimo e desinteresse. Dependendo do grau da depressão até mesmo as coisas que pessoa mais gostava de fazer se tornam cansativas e enfadonhas. Alguém com o humor deprimido (baixo), anda devagar, fala pouco, apresenta baixa autoestima e baixa autoconfiança.

Identifique os sintomas 

  • Humor depressivo durante a maior parte do dia.
  • Diminuição de interesse ou prazer em quase todas as atividades.
  • Perda de peso (sem dieta) ou aumento de peso significativo.
  • Diminuição ou aumento diário do apetite.
  • Insónia ou hipersónia (necessidade de dormir muito).
  • Inibição/lentidão de movimentos.
  • Agitação.
  • Náuseas, alterações gastrointestinais.
  • Fadiga ou perda de energia.
  • Sentimentos de desvalorização ou culpa excessiva.
  • Pensamentos recorrentes acerca da morte, ideias de suicídio ou tentativas de suicídio.

 

 Conheça as causas

 Acredita-se que a condição seja causada por uma combinação de fatores genéticos, ambientais e psicológicos. Entre os fatores de risco está a história de depressão na família, alterações significativas na vida, determinados medicamentos, problemas de saúde crónicos e consumo de drogas. O diagnóstico de distúrbio depressivo maior tem por base a descrição das experiências por parte da pessoa e a avaliação do estado mental.

Qual é o tratamento?

Quando a doença está num estado grave é necessário combinar o aconselhamento psiquiátrico com a medicação e psicoterapia/hipnoterapia. Nos casos mais simples, e no início da doença, a psicoterapia/hipnoterapia podem ser suficientes. Nas minhas clínicas, os psicólogos trabalham segundo o meu método de trabalho, que é “A Terapia Diamante”, uma abordagem terapêutica com a técnica da hipnose e programação da mente.

De que forma ajudamos?

 Favorecemos a mudança dos comportamentos ineficientes e trabalhamos as questões motivacionais para comportamentos eficientes.

  • Potenciamos a alteração da relação com as distorções de pensamento que contribuíram para o pensamento negativista que carateriza o estado depressivo.
  • Trabalhamos as crenças limitantes do paciente, ajudando-o a elaborar novas crenças facilitadoras para o futuro.
  • Levamos o paciente a focar-se em situações futuras positivas para reforçar as suas necessidades e trabalhar expetativas realistas.
  • Vamos à origem do problema através da técnica regressão na idade, entre muitas outras no método da Terapia Diamante, para libertar a carga emocional que esteja recalcada. Assim, o paciente irá alcançar o bem-estar.

 

Leia mais na zen energy de Março 2017