Foi publicado um estudo no British Medical Journal, a 19 de agosto de 2008, sobre a eficácia de várias práticas em pessoas com constantes dores na coluna vertebral. Nesse estudo foram incorporados a Técnica Alexander, a massagem terapêutica e os exercícios recomendados pelo médico com uma enfermeira de apoio no aconselhamento de como executá-los. Os resultados foram evidentes.

 

Os pacientes com dores crónicas na coluna vertebral que tiveram sessões individuais com um professor acreditado da Técnica Alexander tiveram melhores resultados a longo prazo quando comparados com as outras práticas referidas anteriormente. Os resultados foram impressionantes, porque os pacientes conseguiram, após várias sessões da Técnica Alexander, tornarem-se independentes de quaisquer fármacos. O problema das dores na coluna vertebral é apenas uma das razões pela qual as pessoas procuram a Técnica Alexander. Existem muitas outras, tal como problemas da mobilidade física, nível excessivo de stress e ansiedade, falta de confiança e de controlo emocional.

Querer mudar
Ter uma sessão da Técnica Alexander não é como ter uma sessão de terapia ou uma consulta médica. O processo é puramente educacional e, para resultar, é necessário que a pessoa interessada esteja ativamente predisposta a mudar. Aqui está o grande desafio. Infelizmente, temos uma tendência para nos preocuparmos em mudar apenas quando sentimos dor. Tentamos mudar para curar e não para prevenir. Essencialmente, necessitamos de mudar os hábitos de reação às coisas que fazem parte do nosso dia-a-dia. Para alterarmos a forma como reagimos, temos de mudar a forma como pensamos, o que pressupõe o entendimento do que fazemos connosco quando estamos perante situações difíceis ou pretendemos atingir objetivos. Será que nesses momentos temos a noção do que fazemos? Na grande maioria das vezes, a resposta é não.

Como funciona?
Este método é comunicado cenestesicamente e começa quando temos sessões individuais, já que cada um de nós tem hábitos de reação distintos. A pessoa que vai à sessão terá a oportunidade de explorar uma nova maneira de estar, em que desenvolve
a capacidade de observação e de sincronização dela própria perante os mais diversos estímulos apresentados durante a sessão.
Os interessados neste método referem-se
a esta Técnica como uma maneira de se sentirem mais confiantes e saudáveis, e de ter mais controlo deles próprios para viverem de modo mais equilibrado.

Desafios na aprendizagem

No entanto, aprender este método tem os seus desafios. Primeiramente, porque temos tendência para intelectualizar tudo o que fazemos. A Técnica não pode ser aprendida intelectualizando conceitos ou tirando notas de um livro; ela deve ser experimentada para se perceber o seu verdadeiro significado. Por último, quando estamos na presença de um problema que queremos resolver, pretendemos fazê-lo quase de forma instantânea para prosseguir com as nossas vidas. No entanto, a Técnica lida com os hábitos de cada indivíduo, hábitos esses que numa grande maioria das vezes se encontram enraizados há muito tempo. Nesse sentido, a Técnica é eficaz porque devolve ao indivíduo a chave do bem-estar.

Falsa perceção do que somos
Um dos princípios fulcrais desta Técnica é o que chamamos de falsa perceção sensorial que temos de nós próprios. Isto significa que temos uma imagem ou perceção contrária do que realmente fazemos e parecemos. Esta desconectividade pode ser facilmente observável nas mais variáveis formas.
Um dos exemplos mais comuns é quando estamos numa conversa com amigos e passamos o tempo a vaguear no tempo — entre
o passado e o futuro — e acabamos por não desfrutar do presente.

Como resolver a desconectividade?
Atirando a nossa atenção para o que fazemos connosco nas mais diversas tarefas, especialmente quando essas tarefas nos retiraram
o autocontrolo. Essa falta de controlo, ou piloto automático, leva-nos a não estar presentes nos momentos em que realmente nos encontramos. Preocupamo-nos em excesso sem saber porquê, em vez de desfrutar
do momento em que estamos.

 

Atingir objetivos

Quase todas as pessoas que vão à primeira sessão caem na categoria de atingir os seus fins sem cuidarem de si enquanto atingem esses mesmos fins. Enquanto professores da Técnica Alexander, o nosso trabalho consiste em mostrar aos interessados uma maneira de estar mais autêntica e em consonância com o que a pessoa é na realidade.

 

Carlos Monteiro
Professor da Técnica Alexander
919 717 712
tecnicaalexander-pt.com