Há vários estudos feitos ao longo dos últimos anos que revelam factos estupendos. Investigações na Rússia mostram que o corpo dá-nos sinais contínuos seis meses antes de uma doença aparecer. Infelizmente, não nos damos conta ou não compreendemos estes sinais a tempo para poder tomar medidas. Tornamo-nos conscientes apenas quando a doença se manifesta a nível físico ou depois de uma consulta de rotina quando o nosso médico nos dá a notícia preocupante de que algo não está bem.

E quais seriam estes sinais? Não há quaisquer indícios físicos, mas existem coisas que estão a mudar na eletricidade do corpo, na bioenergia. Primeiro, mudam na bioenergia e depois é que descem para o corpo. Se estas mudanças pudessem ser tratadas ao nível de bioenergia, nunca chegariam ao corpo físico. Assim, a doença poderá ser tratada ainda antes de chegar ao corpo, mas tem de ser detetada por um dispositivo mecânico.

De um modo geral, quanto mais cedo a doença for descoberta, maior é a possibilidade de sucesso no tratamento e até mesmo na cura. É assustador pensar que a doença possa viver no nosso corpo sem que a possamos detetar antes que seja tarde demais.

Os estudos, as pesquisas e as investigações vão todas neste sentido, para que seja possível, ainda no século XXI, reduzir ao máximo o número de doentes com o contributo de aparelhos que conseguem detetar uma doença antes de ela se desenvolver, de facto.

Enquanto esta possibilidade estiver só ao nível de investigação, não podemos ficar de braços cruzados e arriscar adoecer. Mesmo que não tenhamos consciência daquilo que poderia estar a acontecer ao nível de bioenergia, podemos estabelecer contato com o corpo quando tudo está bem. Sinta no seu interior a música do seu corpo, a harmonia das suas células, relaxe no sol, na relva, no seu sofá preferido. Cuide do seu corpo, ame-o.

Sabia que 90% das doenças cardiovasculares devem-se a fatores de risco ligados à alimentação? Por vezes, os melhores medicamentos estão no prato, até mesmo para prevenir doenças. Há uma razão para que vegetais como brócolos e couves tenham um papel na manutenção das defesas. Especialistas em nutrição explicam que o ser humano comeu sobretudo ervas ao longo de milhões de anos, pelo que os nossos corpos ter-se-ão desenvolvido a associarem os vegetais às refeições.

Assim, os derivados do alho e da cebola são ricos em flavonoides que inibem os tumores, enquanto os citrinos são uma arma contra o AVC, por causa da hesperidina, que parece aumentar o fluxo sanguíneo no cérebro. Sabia que a beterraba é um dos melhores remédios para a hipertensão? As uvas pretas são um forte antioxidante contra a destruição de células do cérebro. A canela ajuda a estabilizar os níveis de açúcar no sangue. É um coadjuvante da insulina. O açafrão contém uma substância chamada 5-hidroxitriptofano, que estimula a produção de serotonina melhorando o humor.
O consumo diário de nozes permite reduzir a taxa do mau colesterol em cerca de 7,5%. E muito mais.

Ficar ou não doente passa pelo seu prato e não só. Então leia esta revista e proteja-se de doenças que possam ameaçar a sua saúde.

Elisabeth Barnard

Diretora