A que podemos associar o bem-estar? Cada um percebe-o e sente-o de acordo com as suas aspirações, a sua experiência e os seus desejos. O que é certo, é que há uma noção de prazer, de satisfação agradável do corpo e do espírito, de realização pessoal e também de harmonia com os outros. Por outras palavras, é difícil falar de felicidade quando não se alcançou o estado de bem-estar.

 

Pessoalmente, vejo o bem-estar como um estado de beatitude e felicidade. Ele permite-nos apreciar o que realmente somos, o momento que vivemos e o lugar onde nos encontramos, qualquer que ele seja e incondicionalmente. Hoje em dia, a procura do bem-estar é fortemente destacada na nossa vida quotidiana. E as soluções oferecidas para o atingir são muito variadas. Eis, pois, as minhas sugestões, que tenho sempre prazer em partilhar consigo e que se baseiam, em grande medida, nas ciências taoistas e, particularmente, no feng shui, para atingir o bem-estar no quotidiano.

 

Acunpunctura do habitat

Muitos são os que confundem o feng shui com uma decoração zen ou asiática. Na realidade, esta ciência taoista é bem mais complexa. Ela requer uma análise precisa e propõe soluções muito mais avançadas do que simples decoração chinesa. Também chamada de acupunctura do habitat, a designação resume bem o objeto desta ciência. Trata-se, de facto, de equilibrar os fluxos energéticos de um lugar (casa, empresa, repartição pública…), adaptando-os às energias dos seus ocupantes. O seu objetivo é, pois, colocá-lo em harmonia com o lugar e o tempo, a fim de facilitar o seu bem-estar, bem como o sucesso em todas as áreas da vida. Para começar, é preciso compreender que este equilíbrio se faz através do trabalho em torno de 3 fatores fundamentais:

  1. O fator do Céu: corresponde às influências energéticas do tempo sobre nós. Trata-se, por exemplo, do património energético que nos foi atribuído à nascença. A ciência taoista que se ocupa desta área chama-se Ba Zi. A sua análise baseia-se na nossa data, hora e lugar de nascimento. Ela permite-nos conhecer os nossos potenciais e as nossas fraquezas, com vista a melhorar as nossas hipóteses de sucesso e a antecipar certos obstáculos.
  2. O fator do Homem: representa o desenvolvimento pessoal. A consciência e a vontade que cada um de nós tem de melhorar a sua vida ou não…
  3. O fator da Terra: corresponde às influências energéticas que o lugar onde vivemos e onde trabalhamos tem sobre nós. É o nível de intervenção do feng shui.

 

Escrevi acima que a análise do feng shui do seu habitat era muito mais precisa e complexa do que simples decoração. Com efeito, trabalhamos com os 3 fatores acima citados e associamos 8 a 10 níveis de análise, tendo cada um a sua importância e o seu papel no equilíbrio energético da sua casa ou empresa. O resultado destas análises implica, potencialmente, vários níveis de soluções:

  • A localização adequada das camas, secretárias e móveis, tendo em consideração as energias favoráveis do local e dos seus ocupantes.
  • A orientação deste mobiliário (camas, secretárias, televisões…) de acordo com as direções cujas influências energéticas são favoráveis à pessoa em questão.
  • A organização das divisões da casa, utilizando cores e materiais que vão contribuir para o equilíbrio.

Enfim, é a este nível que intervém a decoração de interiores, a fim de juntar o útil ao agradável, permitindo a cada móvel e objeto desempenhar a sua função num quadro estético e harmonioso que respeite o gosto dos ocupantes.

Uma vez que uma análise feng shui requer certos dados pessoais e outros respeitantes à sua casa ou empresa (a sua data de nascimento, a orientação da fachada e a data de construção), não posso, neste artigo, fornecer-lhe senão alguns conselhos gerais, mas que têm a sua importância para o seu bem-estar.

 

No Feng Shui, cada lugar é repartido em 8 setores cardinais, cujos fluxos energéticos correspondem, entre outras coisas, a uma área da vida. Assim, temos:

  • O setor do Norte a corresponder à energia do trabalho e da carreira. É aconselhável colocar neste setor imagens relativas ao seu trabalho (se estiver satisfeito com ele), senão, ao trabalho que gostaria de fazer. Deverá, igualmente, guardar nesta área os seus recibos de vencimento, bem como todos os documentos que favoreçam a sua carreira.
  • O setor do Nordeste está associado à energia da educação e dos conhecimentos. Aconselho-o a colocar aí as suas recordações de viagens que evoquem momentos felizes, os postais… Mas também os seus apontamentos de aulas (se for estudante ou estiver a fazer uma formação específica); livros de cultura geral; um mapa-múndi, símbolo dos conhecimentos.
  • O setor Este está ligado às energias da saúde e da família, por conseguinte, sugiro-lhe que coloque no mesmo, fotos alegres da família; a imagem de uma árvore de fruto, símbolo de crescimento, de boa saúde e da árvore genealógica; a imagem ou representação de frutos e legumes, igualmente símbolos de boa saúde.
  • O setor do Sudeste corresponde à energia da prosperidade, pode, pois, colocar aí todas as imagens que representem a riqueza (a cornucópia…), alguns objetos de valor que possa expor…
  • O setor do Sul está associado à fama. Colocará nele os seus diplomas, troféus, medalhas, cartas de encorajamento e felicitação e tudo aquilo que o valorize no seu meio.
  • O setor do Sudoeste representa as energias do amor e das relações. É aconselhável colocar neste setor imagens felizes do casal (se já é um casal) ou imagens de um casal feliz (se for solteiro/a). [espaço a mais] Deverá colocar aí também objetos aos pares, bem como representações do amor e das boas relações.
  • O setor do Oeste está ligado às energias dos filhos e das realizações. Colocar-se-ão neste setor fotos felizes dos filhos (se os tiver) ou imagens de bebés (se desejar ter um). Colocará, igualmente, neste setor imagens ou representações das realizações de que se sente orgulhoso, bem como dos seus filhos.
  • O setor do Noroeste corresponde às energias dos mentores e das ajudas externas. Aconselho-o a colocar neste setor as imagens das pessoas dignas da sua confiança e que lhe podem oferecer a sua ajuda sincera; imagens dos seus ídolos (com a condição de que essas pessoas tenham ou tenham tido um percurso de vida feliz); as dos seus anjos da guarda ou guias espirituais (se acreditar neles).

Dicas e conselhos

Alguns têm o hábito de associar cores a cada setor cardinal. Isso deve-se ao facto de, nas ciências taoistas, TODAS as coisas estarem associadas a um dos 5 elementos (Água, Madeira, Fogo, Terra e Metal), assim como às suas polaridades yin e yang. E as cores não fogem a esta regra. Todavia, introduzir uma cor dominante num setor, sem uma análise mais aprofundada que tenha em conta todos os elementos necessários, não é recomendado, pois isso pode provocar um desequilíbrio energético. Daí a importância de se efetuar uma análise feng shui completa, com vista a determinar que elemento e, portanto, que cores e que materiais se devem introduzir numa divisão para equilibrar os fluxos energéticos.

Não posso concluir este artigo sem lhe dar outro conselho importante! Certas pessoas recomendam que se utilize uma fonte ou um aquário nos setores do Norte (carreira) e do Sudeste (prosperidade) para ativar ainda mais esses dois aspetos da vida. Chamo a sua atenção quanto à utilização da água. No feng shui, a água yang (água em movimento) é um poderoso ativador dos fluxos energéticos. Por outras palavras, se colocar esse dispositivo aquático num setor favorável, ele vai ativar boas energias. Infelizmente, ele agirá da mesma forma se o setor não vos for favorável. Ora, para determinar se o setor cardinal em causa corresponde a fluxos energéticos favoráveis ou não, precisamos de saber a orientação da fachada da casa ou empresa, bem como a sua data de construção. E, quanto mais água houver, maior é o impacto. Vigilância também quanto às piscinas ou jacuzzis ou quanto a qualquer outra instalação aquática.

Terá, pois, percebido que o feng shui não é uma varinha mágica que permitirá de uma só vez colocá-lo em harmonia com o lugar onde vive ou trabalha. Mas, é um utensílio fiável e eficaz que lhe permite caminhar em direção ao bem-estar.

 

Artigo publicado na Zen Energy Nº 87 (edição de abril de 2016)