A perspetiva da Medicina Tradicional Chinesa

Ao entrarmos no outono, dá-se na Natureza um processo natural de mudança. Este processo também é muito semelhante ao que acontece com o Homem. Tudo o que acontece no meio ambiente ocorre e reflete-se no nosso interior. E isso altera a nossa fisiologia, o que se traduz nas emoções, de acordo com
a teoria de Yin-Yang.

Medicina Tradicional Chinesa baseia-se na observação dos ciclos naturais e da relação do Homem com o seu meio ambiente. O diagnóstico de uma patologia é feito com base na teoria dos cinco elementos: madeira, fogo, terra, metal e água. Estes cinco elementos estão relacionados com os nossos órgãos: fígado, coração, baço, pulmão e rim, respetivamente.

Por sua vez, cada elemento e órgão estão associados a uma estação. A primavera relaciona-se com o fígado; o verão relaciona-se com o coração; o fim do verão relaciona-se com o baço; o outono relaciona-se com o pulmão e o inverno relaciona-se com o rim. Apesar de existir uma interdependência entre estes cinco elementos, em determinadas alturas do ano estamos mais suscetíveis a ter determinado tipo de patologias.

A que patologias devemos prestar atenção?

As mudanças de estação são alturas em que, tal como acontece na Natureza, o corpo humano necessita de se adaptar ao novo meio ambiente e muitas pessoas ressentem-se nestas alturas ou, por vezes, numa altura específica do ano.

Agora que entrámos no outono, estamos na altura da passagem do yang ao yin. Na Natureza, as folhas das árvores caem, os dias ficam mais curtos, com menos luz e as temperaturas descem. É uma época de recolhimento e isolamento.

No corpo humano, a primeira barreira que temos com o exterior é a pele, a fronteira entre o interior e o exterior, que é regida pelo elemento metal. Uma segunda barreira é o sistema imunitário também regido pelo elemento metal. O órgão correspondente ao elemento metal, como já foi referido anteriormente, é o pulmão e este, por sua vez, está relacionado com o outono. Por todo o exposto, é nesta altura do ano que estamos mais suscetíveis a patologias respiratórias. Os pulmões são os órgãos mais vulneráveis a ataques por parte de fatores patogénicos. E muitas vezes sentimo-nos mais introvertidos e tristes sem causa aparente, mas esta é a estação do ano que está associada à tristeza.

Resumidamente, um elemento metal desequilibrado aumenta a vulnerabilidade à ocorrência de patologias respiratórias e a uma maior sensação de melancolia e tristeza.

As patologias ocorrem quando acontecem desequilíbrios energéticos. Em muitas ocasiões podem resolver-se recorrendo a técnicas de Acupuntura. É possível restabelecer o equilíbrio e a harmonia do corpo humano, recuperando-se assim o estado de saúde.

Com a Acupuntura também podemos atuar de forma preventiva. Ao inserir agulhas em pontos específicos de meridianos, facilitamos a adaptação à nova estação do ano e diminuímos o impacto ou intensidade de algumas patologias sazonais.

Outro fator importante na adaptação do corpo ao outono é a mudança da dieta. Em geral, nesta estação, recomendam-se alimentos de energia neutra (que equilibram) e temperada (que tonificam). É importante a ingestão de vegetais de cor branca (cor do elemento metal), como cebola, alho, nabo, couve-flor, alho francês, batata e também couves de Bruxelas e brócolos; cereais como arroz e aveia; peixes brancos e azuis; ovos (preferencialmente biológicos); algas; carnes magras; frutas da época como pera, laranja, tangerina, maçã; gengibre. Uma quantidade moderada de picante tonifica o pulmão. Cuide de si, promova a sua saúde e seja feliz neste outono!

Maria Inês Ascensão

Acupuntora

m.inesascensao@gmail.com

916 323 359