Motivado(a)? Feliz? Com as esperanças renovadas? Repleto(a) de crenças positivas? Como estão as suas emoções? Como está a ser o início de mais um ano e ciclo de vida?

É início do ano. Fechou-se um ciclo no espaço temporal e temos a oportunidade de deixar para trás os acontecimentos menos bons, as mágoas, os rancores, os ressentimentos, os maus momentos. Temos a oportunidade de nos abstrairmos dessas situações menos boas que despertaram em nós emoções mais rudimentares, o grande advento do aprendizado, do crescimento interior para um melhor ano vivermos, crentes de que não é possível ter resultados diferentes se mantivermos os mesmos padrões comportamentais. Crentes de que, a cada acontecimento menos bom, temos a oportunidade de crescimento, pois podemos aprender pelo amor, mas também pela dor e, geralmente, as emoções negativas geradas pelos momentos menos bons acabam por originar um profundo aprendizado, porque não queremos viver novamente o que é mau. Assim, se analisarmos bem, temos de estar gratos até pelos acontecimentos menos bons.
E neste sentido precisamos de aproveitar cada momento enquanto oportunidade de crescimento.

Preso ao passado, obcecado com o futuro
O início do ano é tempo de despertar, planear, construir, ter energia para melhor fazer.
É tempo de pensar no amanhã, relembrar os aprendizados de ontem, apesar de o espaço temporal que realmente importa ser o agora. É o presente que nos dá a oportunidade de construir, viver, sentir a vida na sua mais alta expressão. Um grande equívoco e que traz emoções doentes é quando ficamos demasiado presos ao futuro. Somos tomados por uma profunda ansiedade que desqualifica e dificulta o tempo presente, pois tira-nos a possibilidade de bem criarmos, em consciência, em serenidade. Quando ficamos presos ao passado, as dores ou a saudade do que foi bom é uma gaiola que impede o nosso voo. Ou ficamos deprimidos ou sentimos a inércia da nostalgia, e a energia para vivermos o hoje com motivação para a referida construção futura esvai-se uma vez mais.
Por outras palavras, planear os passos futuros é necessário e estamos no momento certo para o fazermos, pois é o início do ano e de um novo ciclo que nos dá a oportunidade de construir metas, criar novos sonhos, ter novas aspirações. Isto é importante para não corrermos o risco de viver a inércia da não realização, o que acontece quando estamos perdidos e sem saber que rumo seguir, que sonhos realizar ou para onde devemos ir. No entanto, a grande sensatez é fazer com que cada dia seja o máximo da sua expressão e aproveitarmos o melhor da convivência com a família e amigos.


Seremos autodeterminados?
É preciso procurar a saúde emocional, alimentar emoções positivas, obter motivação. Segundo os autores Ryan e Deci, a motivação é importante e central no campo da Psicologia, pois é o cerne das questões biológicas, cognitivas e sociais. É altamente avaliada, devido às consequências que produz, sendo essencial para os indivíduos que atuam em funções relacionadas com a mobilização de outros indivíduos ou até para os nossos próprios movimentos. Caso não nos sintamos motivados, poucas ações construímos em prol da realização. Além de todos sentirmos a motivação de forma diferente, é importante ressaltar que a motivação está diretamente ligada à saúde emocional.
Existem diferentes teorias que tratam da motivação. Uma delas é a teoria da autodeterminação, que considera que a motivação pode produzir efeitos no comportamento do indivíduo e que essas consequências podem interferir na motivação. Nesta teoria são feitas distinções baseadas nas razões ou objetivos que originam a ação entre os diferentes tipos de motivação. A distinção mais básica
é entre motivação intrínseca, que se refere a fazer algo porque é inerentemente interessante, e a motivação extrínseca, que se refere a fazer algo esperando um resultado. As nossas construções serão em prol do resultado? De um bom ordenado? De reconhecimento externo? Ou será algo que vem de dentro? Sentimo-nos motivados, porque agimos segundo
o que acreditamos, o sentido da nossa vida?
A motivação vem de dentro, porque o caminho e a realização trazem satisfação pessoal, felicidade? Ou a energia que nos move é externa, como o dinheiro ou a satisfação dos outros?
A autodeterminação resulta de um conjunto diverso de fatores, mas um fator importante a ter em consideração para sermos determinados
é a saúde emocional. Quando estamos bem emocionalmente, centrados dentro de nós, com a autoestima elevada, quando nos sentimos seguros e reconhecemos o nosso potencial, conseguimos perceber qual é o sentido da nossa vida. Assim, sentimo-nos motivados muito mais pelo que vem de dentro, pelo que é intrínseco a nós, as nossas características pessoais, o nosso sentido de gratidão e realização, do que pela motivação extrínseca, numa procura equívoca pela recompensa externa, que por sua vez pode gerar frustração.

Artigo completo na revista zen energy 132

Reliane de Carvalho
Hipnoterapeuta
Autora dos livros Menina dos olhos
da alma e A luz dos meus olhos –

  • Uma viagem interior
    hipnoterapeutareliane@gmail.com