Mergulhe na paz do seu Eu interior

 

Especialistas afirmam que uma das principais fontes de desânimo é falar consigo mesmo de uma forma negativa. Ou seja, permitimos que velhas mensagens negativas do nosso passado influenciem o nosso pensamento em vez de dizermos, a nós próprios, coisas boas que nos ajudarão a pensar de forma positiva. Pessoalmente, quando estou confrontada com momentos menos bons, preciso de falar comigo própria e, neste sentido, tenho algumas frases que me ajudam sempre, como: «Podia ter sido pior»; «Isso passará, apesar de tudo, a vida continua»; «O mais importante é ter saúde»; «Amanhã é outro dia»; «Fiz a minha parte, mesmo que me sinta agora assim»; «Não quer dizer que seja para sempre»; etc.

 

Não sei como são os outros, mas eu preciso de encontrar paz e satisfação para continuar animada e sentir-me viva e tenho a certeza de que existem sempre fontes de felicidade dentro de nós, apesar da nossa deceção momentânea. A maior parte de nós não se lembra do que é uma vida alegre e boa, estando/pois temos estado aprisionados pelo nosso modo de vida frenético e imparável e pelas nossas preocupações ilimitadas, muitas vezes, exageradas pelo nosso estado de espírito.dupla1

Mais ainda. Esforçamo-nos tanto para parecer felizes que acabamos por passar ao lado da tão desejada felicidade. Pior, nem sabemos onde e como encontrar esta felicidade, que parece tão distante e inalcançável, que nos escapa por entre os dedos. No entanto, ela está muito mais perto do que ousamos esperar. Porque é que grande parte da vida é definida pelo ritmo frenético, pela ansiedade, pelo stress, pela exaustão? Por que nos atacamos a nós mesmos, sem conseguir encontrar a paz?

Sabemos que os pensamentos podem comandar o nosso estado de espírito e emoções e, implicitamente, que o processo pode acontecer em sentido inverso, ou seja, os estados de espírito podem comandar os nossos pensamentos.

 

dupla2Na prática, isso quer dizer que alguns momentos de tristeza podem acabar por se alimentar a si próprios para criar mais pensamentos infelizes, contaminando a forma como se vê e interpreta o mundo. O mesmo acontece com outros estados de espírito e emoções: ansiedade, medo, raiva, mas também com o amor, a compaixão, a alegria. Pesquisas recentes mostram que não são apenas os pensamentos e os estados de espírito que se alimentam reciprocamente e acabam por inviabilizar o bem-estar – o corpo também é envolvido. Neste sentido, a maior parte do que o corpo sente é influenciado pelos pensamentos e emoções e tudo o que pensamos depende do que acontece no corpo numa interdependência perfeita.dupla3

 

É um processo muito complexo, mas a investigação mostra que a nossa perspetiva global de vida pode ser alterada através de pequenas mudanças no corpo, como franzir o sobrolho, sorrir, alterar a postura, o que pode ter um impacto decisivo no estado de espírito e no tipo de pensamentos que passam pela nossa mente.

dupla4A forma como interpretamos o mundo faz uma enorme diferença na forma como reagimos. Para que a sua vida não se torne sufocante e insípida, é preciso passar à ação. Esta edição propõe desvendar o segredo e a forma como se pode enfrentar com sucesso a ansiedade, o stress, o esgotamento e a depressão para redescobrir o amor pela vida e encontrar equilíbrio num mundo frenético que nós próprios criámos. Quer ter uma vida mais feliz e preenchida? Dê o primeiro passo lendo esta revista.

 

Quero encomendar!